Glória do desporto nacional!

Oh, Internacional

Que eu vivo a exaltar

Levas a plagas distantes

Feitos relevantes

Vives a brilhar

Correm os anos, surge o amanhã

Radioso de luz, varonil

Segue a tua senda de vitórias

Colorado das glórias

Orgulho do Brasil

domingo, 4 de abril de 2021

Colorado, sinta-se em casa

Mensurar a grandeza e a força de uma instituição requer compreender o papel dessa instituição no contexto social em que ela se encontra.
Ao saudar 112 anos de vida do Sport Club Internacional, saudamos todos os feitos que faz esse Clube ser o Gigante que é. O INTER é um clube para além dos títulos regionais, nacionais, continentais e mundiais...e estamos olhando para certames futebolísticos somente.

Nesses 112 anos o SCI foi destaque em gestão administrativa (quando cuidava dos atletas antes mesmo do profissionalismo do esporte) e foi destaque em pódios de múltiplos esportes. Desde corrida de fundo a arremesso de pelota e dardo, no atletismo feminino e masculino, ou da prática do xadrez, do boxe, do karatê, do taekwondo, do judô, do basquetebol, do tênis, do handebol, do futebol de mesa, do futebol de salão e do futebol de campo, a dedicação e a entrega desportiva sempre foram marcas determinantes no Internacional. E este engajamento fez o INTER ser o INTER que é hoje.

Outra característica que sempre fez a diferença na história do Internacional é que ele sempre foi lume em práticas sociais. Desde sua origem o INTER congrega  em sua grandeza o acolhimento social sem distinção de raça, riquezas, credos, gêneros...desde sua origem todos estavam convidados a serem parte de uma associação desportiva do povo.  Do povo de Porto Alegre (1909) e de todos os lugares, nos dias atuais e para sempre.

1909, Porto Alegre se iluminava com os bairros que já dispunham de energia elétrica, a cidade festejava o cinema com o Cine Recreio Ideal, o bond elétrico circulava pela cidade, cafés e confeitarias eram os “points” mais requisitados, as sociedades de bailes Esmeralda e Venezianos proporcionavam momentos de dançantes alegrias à população. Porto Alegre desabrochava para o século XX  e seus poucos mais de 120 mil habitantes conviviam com uma economia que contava com pouco menos de 2.500 lojas, 154 fábricas e 149 oficinas. A cidade crescia e a população buscava encontrar seu espaço no contexto social. 

Parabéns Colorados!!! 

Parabéns INTER!!!!!

Ana Maria Froner Bicca 
Bibliotecária do SCI –CRB10-1310

Fontes:
Acervo do Arquivo Histórico e Biblioteca Zeferino Brazil – SCI
Acervo do Arquivo Histórico Municipal Moysés Vellinho - Poa
Google.com/Maps


segunda-feira, 8 de março de 2021

Mulher colorada!

 
⚽Te acompanho desde teu nascimento. Te vi crescer e zelo por ti desde menino ( em 1918 o SCI teve sua primeira associada).
Cerzi teu pavilhão, bordei teu distintivo... preparei o alimento de muitos planteis.
Estive junto a ti em cada dia de tua existência e na natureza de tua essência, Acolhimento, está contida a energia que explica muito de minha força: Amor e Garra.
Tu sabes que eu estarei contigo por todo o correr dos anos, que te levarei comigo além de qualquer plaga distante, que honrarei e construirei contigo muitos feitos relevantes!
Pois eu sou a Mulher Colorada! A força motriz sustento de tudo. Meu sangue é vermelho, minha alma é vermelha e meus sonhos contigo componho Clube do Povo do Rio Grande do Sul!

Feliz dia Internacional da Mulher à todas as mulheres, em especial às Coloradas!!! 🥰❤

Texto: Ana Maria Bicca
Fonte: Arquivo Histórico SCI/ Biblioteca Zeferino Brazil
Insta: @arquivohistoricosci

segunda-feira, 1 de março de 2021

Biblioteca Zeferino Brazil: do Príncipe dos Poetas Gaúchos à alma do povo brasileiro

Em 2020, o poeta que dá nome para a única Biblioteca de iniciativa privada e de utilidade pública em um Clube de Futebol no Brasil, completou 150 anos. O Sport Club Internacional, ao valorar sua essência, sendo sem dúvidas o Clube do Povo, fundou em 1944 a Biblioteca Zeferino Brazil.
Na intenção de lembrar e ressaltar a importância da obra deste gaúcho, compartilhamos com todos vocês o magnífico trabalho de Fábio Roberto Ferreira Barreto, mestrando da USP e professor na cidade de São Paulo, que ao render homenagens ao “príncipe dos poetas gaúchos” nos presenteia com o lume da excelente obra de Zeferino Brazil.
Vovó Musa - editado em 1903 

Para ler o artigo do Fábio acesse aqui. 
Artigo de Fábio Barreto no Correio do Povo
A Biblioteca Zeferino Brazil possui um excelente acervo do escritor e coloca a disposição de todos a possibilidade de pesquisa e leitura.
 Alma Gaúcha – editado pela FECI em 1976 

Referência: Acervo da Biblioteca Zeferino Brazil/
texto bibliotecária Ana Bicca e artigo compartilhado por Fábio R. Ferreira Barreto


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Valdomiro Vaz Franco

Valdomiro Vaz Franco é o jogador com maior número de partidas pelo Sport Club Internacional, além de ser o único jogador a conquistar o octacampeonato gaúcho. Natural de Criciúma, Valdomiro nasceu em 17 de fevereiro de 1946 e iniciou a carreira no Comerciário, Clube de sua cidade natal. Chegou ao Inter em 1967, aos 21 anos, e fez história em sua trajetória pelo Clube do Povo. Abaixo suas fichas no Sport Club Internacional e na Federação Gaúcha de Futebol:

Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol SCI

Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol SCI

Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol SCI

Mesmo com algumas dúvidas por parte da torcida, Valdomiro mostrou sua técnica e comprometimento com o Inter logo no início. O ponta direita foi fundamental nas conquistas do Sport Club Internacional na década de 70, tendo participação ativa nos gols que renderam as conquistas dos Campeonatos Brasileiros de 1975 e 1976.  
Fonte: Sport Club Internacional

Fonte: Sport Club Internacional

Valdomiro jogou pelo Inter até 1980, passando então a atuar pela equipe colombiana Millionarios. Regressou ao Clube em 1982, onde encerrou sua carreira, aos 36 anos. Suas conquistas pelo Inter foram as seguintes: Campeonato Gaúcho (1969, 1970, 1971, 1972, 1973, 1974, 1975, 1976, 1978, 1982) e Campeonato Brasileiro (1975, 1976 e 1979). 

Fonte: Sport Club Internacional

Valdomiro também marcou sua presença atuando pela Seleção Brasileira. Na Copa de 1974 marcou o gol que foi responsável pela classificação da Seleção para a segunda fase da competição, na vitória de 3 x 0 sobre o Zaire. O Brasil precisava vencer por três gols de diferença para seguir adiante, e o gol só saiu aos 34 minutos do segundo tempo, em um chute sem ângulo de Valdomiro, que contou com a ajuda de uma falha do goleiro do Zaire. Para saber mais sobre esse talentoso atleta, clique aqui.

Fonte: Sport Club Internacional

Texto/Colaboração:
Aline Duarte/Fagner Dornelles de Souza 
Equipe de Pesquisa Histórica Museu do Sport Club Internacional Ruy Tedesco
Fontes:
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Curiosidades do Campeonato Brasileiro

Revista Placar Ed. 181 - Agosto/1973
Se engana quem pensa que disputar o Campeonato Brasileiro no auge do verão é novidade; o Sport Club Internacional já tem em seu histórico vários Brasileiros disputados no início do ano.
Em 1974 o Internacional teve seu primeiro jogo do ano justamente disputando o brasileiro de 1973, que só acabou em 20/02 para o nosso SCI. Por falar em Campeonato Brasileiro de 1973, este campeonato contou na época com 40 clubes disputando o torneio e no total foram disputadas 656 partidas e o Internacional ficou em 4º lugar nessa longa disputa.
E entre o calor da temporada de verão do território brasileiro e o calor dos estádios repletos de torcedores, o Campeonato Brasileiro também foi disputado no início de janeiro nos anos de 1981, 1982, 1983, 1984 e 1985.
Lá em 1987 o Internacional jogou a sua última partida pelo brasileiro de 86 em 28/01, contra o Sobradinho, ganhando de 03 a 0 no Estádio Pelezão (demolido em 2009). Em 1989 o Campeonato Brasileiro de 88 avançou até 21/02, onde o Inter enfrentou o Bahia.
Os últimos anos em que vimos o Campeonato Brasileiro começar no escaldante janeiro foi em 1991 e 1992. De lá para cá a CBF aprimorou seu planejamento desportivo e o campeonato foi organizado de forma diferente.
2020 foi um ano ímpar para todos ( e valha aqui o trocadilho de ser ano par...pois com certeza foi um ano sui generis), a pandemia assolou e assola toda a sociedade e ainda bem que temos o futebol para alegrar nossas tardes e noites de confinamento.
Janeiro de 2021, o Internacional no momento ocupa o segundo lugar na tabela do Brasileirão e disputará até o último momento o lugar mais alto no pódio do Futebol Brasileiro.

Sigamos as rodadas. Dale INTER!!!!

Fontes: 
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Tabela de Jogos do SCI e Acervo da Biblioteca Zeferino Brazil
Revista Placar Ed. 181 - Agosto/1973 -  Disponível para consulta na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI 

quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Memórias coloradas: Enio Berwanger

Enio registrando a inauguração do Beira Rio 

Enio Berwanger foi um dos quatro apresentadores do Correspondente Renner, que esteve no ar de 1964 a 2010 na rádio Guaíba. O programa de notícias foi apresentado também por Ronald Pinto, Jorge Alberto Mendes Ribeiro e Milton Ferretti Jung. 
Enio iniciou como locutor no final da década de 1940 em Vacaria, utilizando um sistema de alto-falantes, onde teve as primeiras lições sobre transmissão radiofônica. Tão logo se mudou para Porto Alegre, começou a trabalhar na recém-fundada Rádio Guaíba, por onde permaneceu por 27 anos. Na sua carreira foi locutor, mas chegou aos 80 anos como diretor comercial dos veículos eletrônicos da Caldas Júnior e em 1993 ocupou a vice-presidência da Rede Pampa. 
Enio foi também sócio colorado e guardava com carinho lembranças do seu time do coração. O material foi enviado pela neta de Enio, Joana Berwanger, por e-mail e que nos autorizou publicar para compartilhar com os colorados estes objetos guardados pela família.
Postal do time Benfica e no verso autógrafos dos jogadores

Credencial de acesso

Flâmulas

Faça como a Joana e colabore conosco! Envie um e-mail para arquivohistorico@internacional.com.br,  conte sua história e compartilhe suas memórias.
Colaboração jornalista Ernani Campelo
Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional 
Arquivo pessoal família Berwanger, 








terça-feira, 27 de outubro de 2020

Craques que trabalham para que a bola role no Sport Club Internacional?

 

Um clube de futebol não é feito só com atletas, há um time de colaboradores de diversas áreas que se empenham para que tudo funcione perfeitamente, para que tudo ocorra bem dentro de campo.
E não é de hoje que isso ocorre, conforme esta matéria que foi publicada na revista Colorada, edição de junho de 1958.
Os craques fora das quatro linhas!

Vale a reflexão de como se transforma a nomenclatura das profissões e mesmo a forma e o objetivo de muitas atividades. Aqui só o que não muda é o ‘entusiasmo e a dedicação’ como os craques são apresentados aos leitores!


Fonte:
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista Colorada – junho/1958 - Disponível na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho (No momento fechada devido ao Isolamento Social)




segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Pelé - "O Miguel Ângelo da bola"!






O jovem de 18 anos já se sabia destinado a ser inesquecível em sua genialidade. Vale a pena saborear as palavras sábias da crônica de Nelson Rodrigues no Anuário de 1959 da Revista Manchete Esportiva que escolheu Pelé o seu Personagem do Ano!









Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club InternacionalAnuário Manchete Ilustrada - 1959
Disponível na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho*
*No momento com pesquisa com agendamento devido ao Isolamento Social
Contato: biblioteca@internacional.com.br

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Qual a importância dos documentos de um clube de futebol para a sociedade?

Um clube não contém apenas informações sobre suas atividades esportivas, possui também registros sociais e culturais do local onde se encontra. Para manter estes registros o SCI formalizou em 2009 o Arquivo Administrativo como Departamento, e em 2012 passou a fazer parte do escopo do Sistema de Qualidade do clube, tendo seu processo certificado. Tratando o documento independente do suporte, físico ou digital. Hoje já faz uma interface com o Arquivo Histórico que reúne os documentos com valor secundário (documentos que perderam a vigência administrativa, porém são providos de valor histórico-cultural). O Departamento de Arquivo tem o objetivo de salvaguardar a memória colorada, trabalhando na organização documental da trajetória do clube. Vamos além, conscientes que o clube está intrinsecamente ligado a memória coletiva de sua cidade e seus moradores. O futebol faz parte desta memória. A análise deste conjunto documental, serve de ponto de fusão entre arquivo e memória. 
É muito mais que futebol!

Fotos que mostram o Beira Rio, da construção até a reforma e as mudanças 
da cidade a sua volta neste período.

Créditos fotos: Em cima esq. e dir. acervo Arquivo Histórico SCI 
Abaixo esq. Chico Sisto e a dir. Victor Grunberg



quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Uma vida de futebol

Carteira de Sócio/1962
05 de setembro de 2020, no mesmo dia em que completava 82 anos, Emídio Odosio Perondi encerrava um ciclo fazendo a passagem para a eternidade.
Este gaúcho nascido na cidade de Jóia, sempre teve o futebol como uma paixão incansável. Com 17 anos defendia o São Luiz de Ijuí ao lado do pai de Dunga, Edelceu Verri. Em 1958 jogou no Palmeiras ao lado de Ênio Andrade e Chinesinho.
Na década de 60 foi dirigente do São Luiz onde deixou um legado de 20 anos: construiu o estádio 19 de outubro. Seu carisma e trabalho fez com que fosse eleito vereador em 63 e logo em seguida prefeito de Ijuí. No ano de 1979 foi eleito deputado federal, cargo exercido até 1987. Emídio tinha como plataforma política projetos de desenvolvimento da agricultura brasileira e controle da natalidade. Duas questões extremamente contemporâneas a todos os brasileiros.
Perondi e Dallegrave
Foi através de Arthur Dallegrave que Perondi aceitou o convite para ser conselheiro do Club de seu coração: o Sport Club Internacional. Colorado desde jovem, esse colorado trabalhou muito na campanha da construção do Beira-Rio. E foi o responsável, em 1981, por trazer para o Inter os jogadores Dunga e Paulo Wissman.
De 1991 a 2004 ele foi presidente da Federação Gaúcha de Futebol. Por todos os serviços prestados em sua gestão recebeu da FIFA a Comenda João Havelange.
O prestígio do futebol gaúcho se consolidou com o trabalho deste colorado a frente da FGF. Reestruturação do departamento de arbitragem, com destaque a nomes como Carlos Simon e Renato Marsiglia que apitaram Copas do Mundo de Futebol. Investimentos no departamento amador dando destaque as categorias de base com competições que adquiriram prestígio nacional e internacional sendo reconhecidas pela CBF e FIFA como resultado de uma gestão de insumo a novos talentos no futebol. A campanha " Futebol sem violência" que resultou no reconhecimento do RS como um estado com menor indice de ocorrências violentas nos estádios. Campanhas de arrecadação e distribuição de alimentos aos necessitados, Campanha de Combate as Drogas, Concurso Musa do Futebol Gaúcho e outras ações que enfatizaram o lado social da prática desportiva.
O futebol gaúcho cresceu e se afirmou no cenário nacional e internacional. O interior estruturou suas organizações desportivas conquistando avanços importantes como por exemplo o Juventude sendo Campeão Gaúcho de 1998 e da Copa do Brasil em 99; o 15 de Novembro sendo vice campeão do Gauchão em 2002/2003.
Emídio Odosio Perondi, um gaúcho COLORADO, um desportista, um atleta, um homem que fez de sua vida um legado ao Futebol Gaúcho.
Tua vida, Perondi, não se encerrou. Ela está eternizada na prática desportiva do teu Rio Grande do Sul. Obrigado por tudo.
Texto Ana Bicca - Bibliotecária/SCI

Fonte:
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista Goool n°103/2004 - Disponível na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho*
*No momento fechada devido ao Isolamento Social

domingo, 19 de julho de 2020

O Alvorecer da crônica desportiva: futebol e cultura popular brasileira

O Rio Grande do Sul, com seu futebol combativo, tem a honra de em sua história esportiva, ser o estado brasileiro onde foi criado o mais antigo clube de futebol: o Sport Club Rio Grande. Em homenagem a este fato a Confederação Brasileira de Desportos ( atual CBF) escolheu em 1976 a data da fundação do SCRG para homenagear o futebol brasileiro - eis então que 19/07 ficou estabelecido como o Dia Nacional do Futebol.
Falar que o futebol é o esporte mais praticado no Brasil pode ser redundar na obviedade dos fatos. Todos sabem, todos vem e a maioria pratica. Não há um só canto neste país que não tenha um campo, campinho ou quadra de futebol. É mais que paixão, é futebol!
Este ano, para lembrar e honrar o 19/07, a proposta é revisar uma parte da história dessa paixão nacional: o despertar da crônica desportiva, os primórdios do jornalismo esportivo no Brasil. E para tratar do assunto abordaremos a personalidade futebolística de Mario Filho, na busca de homenagear o futebol brasileiro.
Mario Filho, um precursor da imprensa esportiva. Seu trabalho como repórter remonta os primórdios do século passado, no Jornal "A Manhã", onde junto com seu irmão Nelson Rodrigues era responsável pelas notícias veiculadas. Contudo o start para o jornalismo esportivo aconteceu quando em 1928, no jornal "A Crítica", Mario Filho, publicou na primeira página, como chamada principal, notícia do jogo entre Flamengo x Vasco. É claro que antes, inclusive aqui na imprensa gaúcha, os jogos eram anunciados, mas nunca numa primeira página ou como chamada principal.
Seja no jornal " Mundo Esportivo", no "O Globo" ou na Manchete Esportiva, Mario Filho semp
re foi um entusiasta do futebol brasileiro. Falar de futebol nos veículos de comunicação, jornais e rádio -na época-, passou a ter mais espaço e enfoque através de suas reportagens.
A genialidade deste jornalista agregou dois importantes aspectos simbólicos do imaginário coletivo brasileiro: samba e futebol. Foi ideia dele promover, em 1932, "o concurso de escolas de samba" do Rio de Janeiro. Evento este que deu origem aos desfiles de carnaval na Sapucaí. Cultura e esporte se manifestam interligados desde sempre, mas nunca antes de Mario Filho vimos serem abordados com tanto destaque e importância pela imprensa brasileira.
Enquanto isso acontecia na capital do Brasil, aqui no Rio Grande do Sul, o Sport Club Internacional vivenciava alegrias com a inauguração de seu estádio, o Eucaliptos. E começava a trilhar uma nova fase em sua história de glórias.
Em 1933 o futebol no Brasil tornou-se profissional. E nesse processo todo temos a participação primordial de Mario Filho. Como um maestro ele reuniu em seu trabalho jornalístico e empreendedor todos os aspectos que estruturam o futebol: o jogo, os atletas, as torcidas e suas manifestações culturais. Seu irmão Nelson Rodrigues, afirmava que Mario era o " criador das multidões".
O Torneio Rio- São Paulo, considerado o embrião do Campeonato Brasileiro, foi ideia de Mario Filho. Este, entre outros eventos desportivos, é obra do trabalho abnegado deste jornalista que deu " o pontapé inicial" no jornalismo esportivo do futebol brasileiro. Autor de várias obras, esse jornalista e escritor, nos legou a obra " O Negro no Futebol Brasileiro", considerada uma obra prima da antropologia do esporte.
Futebol é cultura. Futebol é social. Mario Filho comprova esta afirmação em toda sua obra e vida.

Texto: Ana Bicca - Bibliotecária/ SCI
Veja mais sobre a história do futebol: História do Futebol
Fontes:
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista do Esporte, Gazeta Ilustrada 
O Anjo Pornográfico: a vida de Nelson Rodrigues. Ruy Castro
Revista Grandes Momentos do Esporte - Ed 02/1977
Revista Gigante Milionário 79 - Ed. 01
Revista Manchete Esportiva 8 - 14/01/1956
Disponíveis na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho*
*No momento fechada devido ao Isolamento Social

Foto Mário Filho:

sexta-feira, 10 de julho de 2020

16 anos do Gol 1000 em Gre-NAL



Era o ano de 2004. Primeiro jogo de um meia/ atacante que chegava para somar no elenco Colorado. Primeiro jogo, e tinha que ser uma estréia em GRENAL? Pois então, ele saiu do banco para colocar seu nome na história do futebol do Sport Club Internacional. Fernando ….. o nosso Fernandão. O jogador que em campo mobilizava a paixão dos torcedores em suas jogadas Coletivas, onde todos construíam o acontecimento…. e ele sempre fez questão de frisar a importância do elenco em campo foi o autor do gol mil. O gol mil de um GreNAL tinha que vir de um líder. Um líder colorado.
Como já não bastasse ser o gol mil no maior clássico do futebol brasileiro, este GreNAL era disputado em um competição internacional, Copa Sul Americana. Tinhamos a atenção da América nos gramados do Rio Grande do Sul. Em sua 3° edição, a Sul Americana era disputada por 30 clubes de futebol. E tivemos dois GreNAIS por esta competição. E sim, o INTER eliminou o Grêmio na competição daquele ano. 
E com o gooool 1000 do Fernandão, o Inter seguiu em frente.
Vale o registro, a lembrança. Vale parar e rever o gol, vale parar e rever o empenho, a garra, a determinação de um jogador que conhecia a Grandeza do Inter e vestiu o manto vermelho com o coração.
Gol 1000, GreNAL, Fernandão! Simplesmente é INTER! É o Nosso COLORADO!
Fontes:Texto: Ana Bicca - Bibliotecária
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista Alma Colorada - Ed. nº 1 - Out/2004 - disponível na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho*
*No momento fechada devido ao Isolamento Social