Glória do desporto nacional!

Oh, Internacional

Que eu vivo a exaltar

Levas a plagas distantes

Feitos relevantes

Vives a brilhar

Correm os anos, surge o amanhã

Radioso de luz, varonil

Segue a tua senda de vitórias

Colorado das glórias

Orgulho do Brasil

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Curiosidade - Bodinho, o jogador mais querido

Concurso que através do voto popular escolhia o jogador mais querido da semana e receberia o prêmio de 500 Cruzeiros (moeda que vigorou entre 1942 até 1967).
Bodinho foi o escolhido de abril de 1953.

Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil
Livro Vonpar: A Marca Do Destino
1948-2008 - Elizabeth Rochadel Torresini - Editora: Vonpar - Ano: 2009

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Pensar é Transgredir, Escrever é Libertar-se

Hoje o dia é de todos os escritores brasileiros. Desde 1960 temos este dia como data marco para saudar todos os que nos libertam e nos permitem alçar voos para além do imaginável. A Biblioteca Zeferino Brazil, única biblioteca de utilidade pública em um clube de futebol, com seu acervo composto por mais de 80 mil exemplares, homenageia aqueles que conseguem fazer de nossos cotidianos uma obra de intensidades literárias.
Poderia elencar inúmeros nomes, que guardados ao assinarem suas obras, constituem o acervo desta maravilhosa biblioteca mas o hoje o dia será para agradecer pela intensa obra da escritora Lya Luft.
Natural de Santa Cruz do Sul, Lya Luft começou sua trajetória nas letras em 1960, com poesia. Desde então não parou mais, são ensaios, crônicas, contos, romances...em sua obra a intensidade da vida humana e de todas as coisas é matéria prima. Como ela mesmo afirma em sua obra quando coloca que “até o último suspiro a vida é um processo” ou em outra fala em que nos diz que “ viver deveria ser -até o último pensamento e derradeiro olhar- transformar-se”, Lya é provocativa. Busca nos tirar da acomodação, nos incita a irmos...em busca de nós.
E como não bastasse somente escrever...Lya Luft é tradutora. Através de muitos outros escritores ela continua a nos alimentar a alma. Conheci Hermann Hesse, Thomas Mann, Doris Lessing entre outros através dela (obrigada Lya).
Até este momento, ainda não tinha a certeza do motivo de tê-la escolhido em meio aos milhares de nomes do acervo, agora sei...é por esta mulher de 80 anos continuar - em um mundo tão inóspito como o nosso se tornou- a acreditar que a vida vale a pena. Que através das suas infinitas manifestações a vida é o que cada um escolhe e faz para ser feliz.
Conheça Lya Luft, a biblioteca do Inter lhe espera. São mais de dez títulos a sua disposição.
Texto/pesquisa: Ana Maria Froner Bicca- Bibliotecária do SCI
Fonte:Acervo Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil

sexta-feira, 5 de julho de 2019

O papa é gaúcho?

Quem lembra da passagem do Papa João Paulo II por Porto Alegre?
O jornalista Ernani Campelo fez uma viagem no tempo e trouxe este resgate histórico.
Podemos conferir todo o conteúdo no Canal do Inter, no programa Passado Alvirubro  e nas redes sociais do Sport Club Internacional.
A pesquisa feita no Arquivo Histórico da Cúria Metropolitana de Porto Alegre trouxe um registro maravilhoso de um fato que marcou a todos os gaúchos. 
Em 1980, em sua primeira visita ao Brasil, o Papa João Paulo II entrou para a história do Rio Grande do Sul ao desembarcar em Porto Alegre. Foi a primeira e também a última vez que um Papa pisou em solo gaúcho. João Paulo II chegou a Porto Alegre no dia 04 de julho, mas foi o dia 05 que ficou na história de todos os colorados: o encontro com religiosos e vocacionados que ocorreu no Gigantinho.Veja mais!
O Papa visitou também a capela Nossa senhora da Vitória, inaugurada em 1980. Foi em uma procissão noturna que ocorreu a transferência da estátua da padroeira do Clube de sua antiga sede - Estádio dos Eucaliptos - para a nova morada.

Fotografias do papa: ARQUIVO HISTÓRICO DA CÚRIA METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE (AHCMPA)
(Série Visita do Papa a Porto Alegre, 1980)
As imagens foram referenciadas conforme a Série e numeração atribuídas no Arquivo.
Os créditos das fotografias são: Servizio Fotografico Arturo Mari (L’Osservatore Romano – Citta del Vaticano)
As imagens utilizadas da "Inauguração da Nova Capela do S. C. Internacional" foram doadas por Norma Prates, que recebeu o álbum do Ex-Presidente José Asmuz. Veja mais!
Texto/pesquisa:jornalista Ernani Campello
Fonte:Acervo Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Memórias coloradas - Mica e Cyborg



O jornalista e colega Ernani Campello hoje recordou duas figuras que nos deixaram em junho. Dois atletas que nem sempre estão nas primeiras lembranças, mas como todos os que passaram pelo Inter deixaram suas marcas e fizeram parte da nossa história.
DALMIR VARGAS ESTIGARRIBIA
Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol SCI
O ex-jogador Dalmir Vargas Estigarribia, o Mica, faleceu na tarde de segunda-feira, dia 24. Revelado pelo Inter, ainda como juvenil foi Campeão da Copa São Paulo em 1978 e no ano seguinte jogou com a equipe de profissionais, foi Campeão Gaúcho. Ficou no Inter até a metade de 1980, sendo também Campeão Brasileiro invicto em 1979. Ele foi vítima de um ataque cardíaco fulminante.  Mica trabalhava durante um treinamento da equipe sub-17 do Iguaçu, de União da Vitória, cidade do Paraná onde vivia, quando sofreu o mau súbito, vindo a óbito em seguida, antes de dar entrada no hospital.
Mica era gaúcho de Tupanciretã (RS), estava com 60 anos e, na época de jogador, era conhecido por ser um exímio cobrador de faltas. Seu maior destaque foi no Criciúma, nas temporadas de 1981 e 1982, quando disputou 81 jogos e marcou 10 gols.
Depois do Inter, Mica foi jogar no Inter de Lages (SC) e passou por Sampaio Correia (MA),  Criciúma, Figueirense, Hercílio Luz, Próspera (todos de SC) e Iguaçu (PR).
PEDRINHO CYBORG
Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol SCI
 Pedro Antonio Simeão nasceu em Lajeado em 4 de agosto de 1953 e faleceu dia 19 deste mês, vítima de pneumonia. Iniciou no Inter em 1968 e no ano seguinte conquistou o título de campeão infantil. Foi um exímio ponteiro direito, discípulo de Valdomiro, revelado pelo Inter no início dos anos 70, Foi titular em várias seleções de base e disputou competições importantes com a amarelinha, como o Torneio de Toulon e o Jogos Olímpicos de Munique, ambos em 1972. Promovido aos profissionais do Inter, participou da campnha dos títulos estaduais de 1973, 74, 75 e 76 e do Bicampeonato nacional. Teve a carreira atrapalhada por duas graves lesões.

Texto:jornalista Ernani Campello
Fonte:Acervo Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil


terça-feira, 25 de junho de 2019

Sport Club Internacional um CLUBE FEITO POR TODOS

Fonte: Matéria publicada em 14/07/2018 por João Fellet BBC News Brasil - A época em que a seleção brasileira era formada por filhos de imigrantes - Veja em: BBC - Seleção Brasileira
Brasil, terra de muitas gentes. Raças, credos, cores...e essências.Brasil multiétnico. E em nossos prazeres e paixões, costumes e manifestações culturais e esportivas, não seríamos diferentes. O Internacional não seria diferente. Este é o Clube de todos...Este é o Clube do Povo. De todas as raças, de todas as etnias...por isso INTERNACIONAL. Este é um clube verdadeiramente brasileiro.
E quando aqui em terras tão orientais para o centro do país, jovens comerciantes, estudantes, biscateiros, músicos, trabalhadores de todas os afazeres e classes sociais, tendo por inspiração a história de um Internacional Paulista, fundaram o alicerce do Clube de Todos no Rio Grande do Sul, sabiam que este seria por todos e para todos. E foram descendentes de negros, portugueses, italianos, alemães, brasileiros em essência e alma que construíram a grandeza do Inter do Povo.
No dia de hoje, onde saudamos os imigrantes, agradecemos por todos que fizeram história ao construir a história do Sport Club Internacional cuja origem é a integração de todos os povos numa irmandade maior de convivência através da prática esportiva.
                          Árvore Genealógica do Futebol Brasileiro-Gazeta Esportiva Ilustrada

A importância deste fenômeno migratório é analisada através do texto' Olhar de Fortini: a presença italiana nas crônicas de Porto Alegre' de Leonardo de Oliveira Conedera  que caracteriza como "...um fenômeno complexo dentre os inúmeros existentes no espaço urbano. As cidades registram uma mobilidade permanente onde atuam diversas dinâmicas. O historiador da imigração precisa-se explorar os vários tipos de fontes disponíveis para reconstruir os percursos de um grupo migrante em um determinado meio." Leia maisAtravés das  crônicas realizadas por Archymedes Fortini, na primeira metade do século XX, falando a respeito da coletividade italiana e seus personagens. 
Conhecido tanto como benfeitor como jornalista, Fortini representa bem esta construção multiétnica da nossa história esportiva. Nascido em Argel, capital da Argelia, em 28 de julho
de 1887, vindo para o Brasil com apenas dois anos. Chegou em Porto Alegre em 1899. Testemunhou de quase tudo, viu inclusive o nascimento do Sport Club Internacional. Figura importante na vida social da cidade. Laureado pela Câmara Municipal por unanimidade como 'Cidadão de Porto Alegre'. Foi o primeiro jornalista a escrever sobre futebol gaúcho, em 1912 fundou junto com Gustavo Bier a 'Revista Esportiva'. 
Fonte:Acervo da Biblioteca Zeferino Brazil/Arquivo Histórico SCI

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Futebol Feminino

Que o Sport Club Internacional traz em seu legado a presença da mulher em sua história, isto já é fato para quem bem conhece seu Clube. Maria Von Ockel em 1918, primeira sócia feminina no Inter, deu início a participação da mulher  na grandeza deste Clube.
Citamos Maria para falar de  Daniela, de Suzana, de Sabrina, de Eduarda, de Ligia e tantas outras mulheres que trilharam o mesmo caminho: o pioneirismo em uma prática esportiva hegemonicamente masculina – o futebol.
O Internacional retomou a prática do Futebol Feminino em 2017. O grupo de atletas e comissão técnica foi apresentado em evento aberto ao público realizado em março deste mesmo ano.
Neste período a equipe aprimorou os aspectos técnicos, táticos e físicos, trabalhando para manter uma boa campanha. E como resultado, as meninas estão vencendo competições nas diversas categorias.
publicações site Sport Club Internacional
Um pouco da história:
O Internacional sempre soube a hora de apostar em seus talentos. As atletas que
despontavam com o futebol,  consolidavam , oportunamente, o Clube como a instituição que maior apoio prestava à prática desta modalidade.
As conquistas se multiplicavam, o Internacional  foi Tri-Campeão Gaúcho, conseguiu o 5º Lugar no Campeonato Brasileiro em 1999.
Em 2000 a equipe Colorada consagrou-se Campeã da Copa Sul e em 2001 conquistou o Bi-Campeonato , também neste ano foi Campeã da Copa Cidade de Gravataí e ficou com o 3º Lugar no Campeonato Brasileiro.
Com todos os resultados positivos alcançados ao longo das temporadas, as atletas do Futebol Feminino do Internacional também tiveram participação no selecionado brasileiro. Desde 1999 o Inter teve representação na Seleção Brasileira. As  primeiras convocadas, em 1999,  foram Sônia e Maria depois em 2002  Priscilla, Solange, Rosana Maria e Karina representaram o Internacional. Neste ano o Inter conquistou o Tetra Campeonato Gaúcho depois de jogar a final com o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.
  Em 2003 o Inter foi Campeão dos Jogos de Porto Alegre nas categorias Mirim, Infantil e Juvenil e Vice Campeão na categoria Infanto. Todos no futebol de campo. E a equipe adulta do Internacional foi Tri Campeão Adulto no Metropolitano, Campeão Brasileiro com a Infantil, Vice Campeão Brasileiro com a Infanto Juvenil. Além de outros títulos como Campeão do Torneio Emancipação em Novo Hamburgo e Penta Campeão Gaúcho.
  No ano de 2004  o Internacional mais uma vez cedeu atletas para a Seleção Brasileira: Rosana e Solange foram convocadas para formar a equipe que disputaria os Jogos Olímpicos de Atenas.
   O sucesso das Meninas do Futebol do Inter sempre foi promissor ao Clube. A banda Skank durante uma temporada de shows em Porto Alegre fez questão de bater uma bola com as atletas do Internacional.
 O feminino sempre esteve presente na grandeza deste Clube
Fichas de algumas atletas do futebol feminino
Fonte: Arquivo Histórico/Departamento de Futebol
Grupo feminino da década de 1980
Material promocional da equipe feminina - década de 1990



Texto:Ana Maria Froner Bicca – Bibliotecária do SCI - Yzara Menegaz - Arquivista do SCI
Fonte:Acervo da Biblioteca Zeferino Brazil/Arquivo Histórico SCI

quinta-feira, 30 de maio de 2019

3ª Semana Nacional de Arquivos - 06/06 - 18h - FECI

O Arquivo Nacional (AN) e a Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) organizam, entre os dias 3 e 9 de junho de 2019, a .3ª Semana Nacional de ArquivosA Semana Nacional de Arquivos é um período dedicado a eventos de cunho acadêmico ou artístico-cultural relacionados aos arquivos de todo o país. Seu objetivo é aproximar as instituições da sociedade, aumentar sua visibilidade e divulgar os valiosos trabalhos desenvolvidos. O evento insere-se no calendário internacional de celebração do dia Internacional dos Arquivos (9 de junho) e segue o tema proposto pelo Conselho Internacional de Arquivos (ICA): Desenhando Arquivos.
A nossa participação na 3ª Semana Nacional de Arquivos será na sede da Fundação de Educação e Cultura do SCI que receberá este evento através das suas divisões de Arquivo Histórico e Biblioteca.
No dia 06/06/2019 acontecerá uma sessão comentada de vídeo e preservação digital e  uma exposição com o processo onde a FECI foi declarada como utilidade pública.



sábado, 25 de maio de 2019

Dorinho - o gentleman dos gramados

Oldorelino Nunes Leal. Nascido em Santana de Livramento no dia 25 de maio de 1946. 
O ex-meia-esquerda canhoto ficou conhecido como Dorinho, iniciou no Fluminense de Santana do Livramento-RS e através do descobridor de talentos Abílio dos Reis chegou ao colorado. Aceito pelo técnico Sérgio Moacir já estreou no time principal ainda com 17 anos.
Pelo Inter foi campeão gaúcho de 1969 a 1974. E foi no Gre-Nal de inauguração do Beira-Rio, em 1969 que ocorreu um fato em que o deixou conhecido pela calma e educação em campo.. Na ocasião, uma briga envolvendo praticamente todos os jogadores que estavam em campo interrompeu a partida, o árbitro acabou expulsando 19 atletas, as exceções foram Dorinho do Inter, Alberto e João Severiano do Grêmio. 
Pelo Inter conquistou os títulos gaúchos de 1969 a 1974.


Declaração fornecida pelo clube ao atleta -  no destaque o reconhecimento como atleta e cidadão 
Em 1967 o Torneio Rio-São Paulo passou a ser Torneio Gomes Pedrosa. O Inter naquele ano foi vice-campeão.  O torneio aconteceu de março a junho, o Inter marcou 24 gols. 
Dorinho marcou gols no jogo contra o Fluminense e no quadrangular final contra o Corinthians.














Medalha de Vice-campeão do Torneio Gomes Pedrosa de 1967.



Após sair do Inter jogou por um ano no São José de Porto Alegre/RS, onde encerrou a carreira como jogador.
Formado em Educação Física, foi professor e trabalhou por 20 anos no Tribunal de Justiça-RS. 
Mas não se desligou do esporte, foi auxiliar técnico de Abel. Cláudio Duarte, Ênio Andrade, Antonio Lopes e Valmir Loruz. 
Também exerceu a função de preparador físico do time campeão mundial de futsal. A vitória que aconteceu no jogo contra a equipe do Barcelona no Gigantinho. Este time venceu ainda a Série Ouro Estadual e a Liga Nacional de Futsal.
Time de futsal- Sport Club Internacional

Em 2018, encaramos um novo desafio, a rádio colorada abriu espaço para dividirmos memórias com o torcedor colorado.
E no quinto programa, tivemos uma conversa maravilhosa com Dorinho. E neste dia recebemos a notícia que ele doaria para o nosso acervo alguns documentos, fotos e recortes de sua carreira profissional no Inter. Promessa cumprida, hoje disponibilizamos um pouco deste material que pertenciam ao seu arquivo pessoal.

Da esquerda para a direita: Campeão Gaúcho/1969, chegando no estádio Eucaliptos, homenagem em card ídolo eterno

Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista do Inter Ed.nº 22 - dezembro/2007




quarta-feira, 15 de maio de 2019

Preservando Tesouros Colorados- Sócio Colorado doa acervo

O Projeto Preservando Tesouros Colorados, desenvolvido pelo Arquivo Histórico e Biblioteca Zeferino Brazil- divisões da Fundação de Educação e Cultura do SCI, recebeu a doação do sócio Cristian Stein. 
A doação de documentos que contam um pouco da história do Internacional amplia o acervo que serve como base de pesquisa a todos que buscam conhecer um pouco mais sobre nosso clube. 
Agradecemos ao sócio pela sua iniciativa e cooperação. Salvaguardando nossa história a memória Colorada será eternizada para as futuras gerações de Colorados.

     Yzara Menegaz junto com Cristian Stein e Ana Bicca



Acervo doado pelo sócio

Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil


sexta-feira, 26 de abril de 2019

Manto Colorado 2019 - homenagem ao time campeão invicto de 1979

uniforme 2019 
Conheça mais sobre a história dos uniformes colorados:
O primeiro uniforme do Internacional foi a camisa com listras verticais simétricas vermelhas e brancas, gravata nas duas cores, calção branco e meias pretas. Os primeiros fardamentos foram todos confeccionados pela Dona Humbertina Pacheco Fachel em 1909. Veja mais sobre a confecção do primeiro uniforme clicando aqui.
Em 1914 o Internacional adotou aquele que viria a ser seu uniforme atual: camisas vermelhas, escudo na altura do coração, frisos brancos nas mangas e golas, calções e meias pretas (hoje brancas). 

Depois, vários modelos apareceram: a camiseta branca com uma faixa diagonal vermelha; a camiseta totalmente branca, calções e meias vermelhas

Acompanhe nas imagens a evolução dos uniformes colorado.


















Uniforme 2010
Uniforme 2011 
Uniforme 2012
Uniforme 2013
Uniforme 2014
Uniforme 2015 
Uniforme 2016

Uniforme 2017
Uniforme 2018

Uniforme 2019
Uniforme 2019
Há 40 anos, o Inter sagrava-se tricampeão brasileiro e se eternizava na história do futebol como o único campeão invicto do campeonato. Aquela equipe encantou o país alcançando um feito jamais igualado na história do Brasileirão. Para celebrar a magia de um time que ficou marcado para sempre na memória dos Colorados, os designers da Nike resgataram detalhes do uniforme que homenageou a inédita campanha de 1979 para vestir o elenco nesta temporada.Veja mais
Fontes: 
A História das camisas dos 12 maiores times do Brasil - Paulo Gini, Rodolfo Rodrigues
Site Sport Club Internacional