Glória do desporto nacional!

Oh, Internacional

Que eu vivo a exaltar

Levas a plagas distantes

Feitos relevantes

Vives a brilhar

Correm os anos, surge o amanhã

Radioso de luz, varonil

Segue a tua senda de vitórias

Colorado das glórias

Orgulho do Brasil

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

2018 - novos desafios

Esta ano de 2018, encaramos um novo desafio, o de resgatar a história do colorado através de mais uma ferramenta, o rádio.
A rádio colorada abriu espaço para dividirmos memórias com o torcedor colorado.

Em agosto nosso primeiro programa falamos um pouco do nosso trabalho e relembramos alguns dos primeiros craques colorados.

No programa número dois resgatamos a história das casas do Inter, da rua Arlindo até a construção do Gigante, e para melhor ilustrar convidamos para conversar conosco um dos integrantes da Comissão de Obras da época, o sr. Lúcio Regner que foi um dos 23 personagens, que assinaram a obra do Gigante da Beira-Rio.
Membros da Comissão de Obras da Construção do Beira-Rio - marcado Lúcio Regner
Regner era um engenheiro civil ligado ao automobilismo. No final da década de 50, estava liderando a construção do autódromo de Tarumã, em Viamão.
Ouvimos seu depoimento e soubemos detalhes dos bastidores.

"Uma crise renal do engenheiro Ruy Tedesco — presidente da Comissão de Obras do Beira-Rio e cabeça maior de sua construção — deu a Regner a oportunidade de ajudar a construir o estádio do seu time do coração. 

- Eles pensaram que iam me contratar. Mas, não, eu quis trabalhar de graça. O projeto era muito modesto no início. O estádio, inicialmente, seria um anel, quase uma elipse. Depois, essa elipse foi aumentada em seu eixo maior, para aumentar a capacidade."


No terceiro programa resgatamos a figura de Abílio dos Reis, conhecido como garimpador de talentos. 
Garimpados por ele estão Carpegiani, Dunga, Sadi, Dorinho, Pontes, Mauro Galvão, Schneider, Cláudio Duarte, Sérgio Galocha, entre outros. 
Atletas do clube que tiveram a participação de Abilio na sua formação e burilados por ele foram Flávio Bicudo, Gilmar, Luiz Carlos Winck, Claudiomiro, Escurinho, Pinga, Caíco entre outros. Falcão foi um craque que foi treinado por ele.
E o nosso convidado foi o ex jogador Pinga que nos deu a honra de um depoimento emocionado de sua história de superação e da sua época defendendo o colorado.
Iniciou carreira na base do Inter e no jogo final da Copa do Brasil de 1992 sofreu o pênalti que deu origem ao gol do título, convertido pelo seu companheiro de zaga Célio Silva.

Pinga (a esquerda) com grupo da rádio - Rogério Stinieski (ao fundo), Ana Bicca,
Yzara Menegaz e Ernani Campelo.
No quinto programa, outra conversa maravilhosa foi com o ex-jogador Oldorelino Nunes Leal, conhecido como Dorinho. O ponta esquerda estreou no time principal colorado com 17 anos. Muito tranquilo e controlado foi sempre considerado um gentleman dos gramados.
E neste dia recebemos a notícia que ele doaria para o nosso acervo alguns documentos, fotos e recortes de sua carreira profissional no Inter. 
Algumas fotografias que foram doadas por Dorinho ao Arquivo Histórico SCI

Flâmula comemorativa doada por Dorinho ao Arquivo Histórico SCI
Para o programa número seis, queremos falar de um profissional que faz toda a diferença na forma que acompanhamos o esporte, o Cronista Esportivo.
Vamos convidar alguns colegas para contarem um pouco das suas experiências.  Profissionais que hoje acompanham o Internacional e suas análises auxiliam ao torcedor a conhecer e ficar atualizados sobre a jornada esportiva do colorado, seja profissional, base ou feminino. 
Em 2019 tem 'Memórias Coloradas'!
Primeiro programa
Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional





segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Internacional, o clube do povo mostra que Esporte é Cultura

Olyntho SanMartin, O.B. e Dyonélio Machado, quando autografava obra para a Biblioteca do Inter
29 de Outubro, dia nacional do Livro! Em que poderíamos relacionar esta data a um clube de futebol no Brasil? Nada, se por acaso não fosse o Sport Club Internacional um clube pioneiro e visionário desde de seus primórdios. Um clube de futebol que sempre carregou consigo a grandeza de sua influência social e cultural.
Em 1929, em sua terceira revisão estatutária, o SCI disponibilizava aos seus torcedores uma Biblioteca. De lá até os dias atuais, este acervo acompanhou a história do Inter. E hoje, em sua grandeza, este clube de futebol oferta à sociedade uma Biblioteca de utilidade pública, membro do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas.
Detalhe da Ata nº 30 de 31/01/1929
No item b, das competências da diretoria: "Encarregar-se da direção, organização e bôa ordem da Bibliotheca do Club, adquirindo os,livros que julgar necessário, sempre de acordo com a Directoria"
Ao saudar esta data, menção ao maior instrumento de difusão de conhecimento: o livro, a Biblioteca Zeferino Brazil do Sport Club Internacional, agradece a todos que através de suas doações ajudaram a construir um acervo com mais de 82 mil volumes. Marca que demonstra a máxima de que cultura e esporte são expressões sociais e vivenciadas em um clube de futebol no Brasil.

AUma amostra do acervo a disposição da sociedade

Venha visitar-nos no Ginásio de Esportes Gigantinho 2º andar, 
de segunda a sexta-feira das 9h – 18h. 

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Luiz Cruz Flor - Defininho

Dia 09 de outubro é comemorado o dia do atletismo. "...uma data criada para homenagear o esporte considerado por muitos como o esporte-base. Essa denominação foi dada porque esse esporte tem como foco as habilidades naturais dos seres humanos, tais como corrida, saltos e lançamentos.
O primeiro registro de competições esportivas que se tem notícia aconteceu em Olímpia, na Grécia, em 776 a.C. "  Saiba mais
O Inter já participava do cenário esportivo, filiado a Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Athleticos, entidade gaúcha, fundada no dia 10 de Abril de 1929, quando Grêmio, Internacional, Americano e outros clubes desligaram-se da APAD e criaram a AMGEAAssociação Metropolitana Gaúcha de Esportes Athleticos. Em 1937 a AMGEA dividiu-se em AMGEA Cebedense (amadora) e AMGEA Especializada (profissional)Saiba mais
Correspondência de 1933 com cabeçalho citando a filiação na AMGEA.
 
Programa Liga Athletica Rio Grandense

Recordamos o atleta Luiz Cruz Flor, conhecido como Defininho e é um dos muitos atletas que representaram o Internacional, atletas que pretendemos recordar posteriormente no nosso blog.
Luiz nasceu em 25 de agosto de 1927 em Santa Maria/RS. Em 1949 passou a defender o Sport Club Internacional e foi campeão gaúcho nos 5.000 metros e vice-campeão nos 1.500 metros.A Revista Colorada de dezembro/1957 fez matéria especial contando sobre a vida do atleta que em outubro deste mesmo ano ganhava a prova de 10 mil metros rasos e colocava o Inter como campeão de atletismo da capital.

Revista Colorada - Dez/1958

Fontes:
Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista Colorada ed. Dezembro/1957 - Revista disponível para pesquisa na Biblioteca Zeferino Brazil /FECI - Sport Club Internacional - 2º andar do Gigantinho
SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "09 de outubro – Dia do Atletismo"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-atletismo.htm>. Acesso em 11 de outubro de 2018.
http://cacellain.com.br/blog/?p=41138



segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Eraldo Hermann: um homem e seu amor pelo Internacional

Foto: Álbum Gigante da Beira Rio

É sabido que ele esteve, como um pilar, na estrutura do clube. Nos distantes anos da década de 40 quando de sua amizade com José Prolo vê sua vida ser modificada por um amor eterno: o Sport Club Internacional. Aquele rapaz de Roca Sales que de varredor e mandalete da Loja Prolo foi porteiro e bilheteiro no antigo Estádio dos Eucaliptos, aquele rapaz que conseguiu comprar seu primeiro relógio Classic – em cinco prestações de 10 mil réis- para ajudar em uma ação pró Inter, também trabalhou nos bastidores na Campanha do Melhoral em Campo, ação publicitária que elegeria o melhor jogador em campo no Brasil. E o Melhoral em Campo foi o Tesourinha. Sempre deu a alma por seu Clube. Mas estas façanhas foram há tempo atrás. 
Vamos dar um salto nesta linha do tempo e lembrar que em 1957 Eraldo chegou ao Conselho do Inter. Em 1961 foi Diretor do Departamento de Futebol e em 1962 passou a integrar a Comissão de Obras do Gigante da Beira-Rio, que no ano seguinte lançou a pedra fundamental do novo estádio. Sabe o primeiro galpão dos pedreiros do canteiro de obras do Beira-Rio? Foi o Sr. Eraldo que construiu. São estas coisas , que muitos não sabem, que fizeram deste homem um homem do clube de todos. Depois do Beira-Rio, seu Eraldo também nos construiu o Gigantinho. Ele foi nomeado Presidente da Comissão de Obras pelo Sr. Carlos Stchemann (presidente do Inter) em 1970. Eraldo Hermann sempre esteve junto ao seu Clube.

Informativo Rubro - Setembro/1963
Ele foi nosso presidente de 1974 a 1975, elevou nosso Clube em grandes conquistas. Nossa primeira estrela com a conquista do Campeonato Brasileiro veio através do trabalho abnegado deste Colorado. Hermann foi um grande construtor, batalhou incansavelmente para que Frederico Arnaldo Ballvé consolidasse a primeira das Fundações em um Clube de Futebol no Brasil: a Fundação de Educação e Cultura do Sport Club Internacional-FECI.
Sr. Eraldo é daqueles Colorados visionários. Seu amor pelo Inter e sua inteligência, somados a força de um grupo que não mandava fazer, mas que colocava a mão na massa, concretizou o nome do Internacional na história do futebol nacional e no exterior. Ao batalhar pela criação da FECI ele também sabia que nosso Clube seria um dia reconhecido por práticas sociais responsáveis. Estas verdades precisam ser ditas, precisam chegar à todos.
Quando a FECI completou 40 anos de existência, Eraldo Hermann foi agraciado com o Troféu Saci. Honra concedida aos Colorados que trabalham pela sociedade. Ele trabalhou por todos nós fortalecendo a máxima de um Inter para todos. Obrigado sr. Eraldo Hermann. Por todos nós...Obrigado.

Sr. Eraldo com demais membros da diretoria da FECI ao receber o Troféu Saci


Álbum Gigante da Beira Rio e Informativo Rubro - setembro/1963 -  disponíveis para pesquisa na Biblioteca Zeferino Brazil/FECI - 2º andar do Gigantinho
Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional



terça-feira, 25 de setembro de 2018

Cronistas esportivos - entre o coração e a razão no mundo dos esportes


No dia 25 de setembro de 1945, era fundada na sede da então Federação Rio Grandense de Futebol, a Associação dos Cronistas Esportivos de Porto Alegre, com o objetivo de reunir todos aqueles que escreviam sobre esportes nos jornais da capital do Rio Grande do Sul. Fundada por Luiz Miranda, Luiz Palhares de Mello, José Domingos Varella, Édison Pires, Xisto Vasques, Hugo Schmidt, Acélio Daudt, José Gomes de Oliveira, Amilcar Silveira, Amaro Júnior, Aparício Viana e Silva e Ruy Vergara Correa, elegeram Cid Pinheiro Cabral como primeiro presidente da ACEPA. 
Em 18 de dezembro de 1963, foi sancionado pelo Prefeito José Loureiro da Silva, o Decreto-lei nº 2651, o qual declarou de Utilidade Pública a Associação. Em 1978, por exigência da recém-criada Associação Brasileira dos Cronistas Esportivos (ABRACE) houve a mudança do nome, de ACEPA para a denominação que é conhecida hoje: Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos. Veja mais: Veja mais.
Presidentes da Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos (ACEG) Cid Pinheiro Cabral, Luís Palhares de Mello, Paulo Pedro Sartori, Rui Vergara Corrêa, Leonel Silveira, Manoel Fernandes Dias, Amaro Júnior, Aparício Viana e Silva Jorge Marimon Mendes, Jair Cunha Filho, Fernando Antônio Lemos Goulart, José Emanuel Gomes de Mattos, João Bosco Granatto Vaz, Marco Antônio Schuster, Carlos Alberto Maya Fruet, João Wianey Carlet, Jose Enedir Francisco, José Carlos de Oliveira Torves, João Antônio Lopes Garcia, José Odoraldo Medeiros Pinheiro, Marco Antônio Pereira da Silva, Haroldo Mendes dos Santos, Carlos Edgar Fontoura Vaz, Associados Beneméritos – Homenageados Arquimedes Fortini Balbino, Ermida Tulio de Rose, Cícero Soares, José Domingos Varella.
Dois cronistas colorados se destacam no início da Associação, Cid Pinheiro Cabral e Archimedes Fortini, que apresentamos uma breve biografia.
Detalhe página - revista Grandes Momentos do Esporte 8

Archymedes Fortini conhecido tanto como benfeitor como jornalista. Nascido em Argel, capital da Argelia, em 28 de julho de 1887, vindo para o Brasil com apenas dois anos. Chegou em Porto Alegre em 1899. Testemunhou de quase tudo, viu inclusive o nascimento do Sport Club Internacional. Figura importante na vida social da cidade. Laureado pela Câmara Municipal por unanimidade como 'Cidadão de Porto Alegre'. Foi o primeiro jornalista a escrever sobre futebol gaúcho, em 1912 fundou junto com Gustavo Bier a 'Revista Esportiva'. 
Foi no jornal Correio do Povo, onde atuou por mais de 65 anos e foi diretor da seção esportiva por vinte anos, que desenvolveu sua trajetória noticiando o esporte e difundindo o futebol. 
Antes, Archymedes aos 14 anos já estudava e trabalhava. Iniciou como entregador de carne, vendedor de vassouras, atendente da Casa de Fumo Pavão, servente do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, pedreiro. Fez curso de taquigrafia. 
Como presidente da Associação Rio-grandense de Imprensa, construiu a Casa do Jornalista. 
Quando completou 50 anos de atividade jornalística, em 1957, foi homenageado pela Prefeitura de Porto Alegre, com a comenda de “Cidadão de Porto Alegre" devido aos serviços prestados a comunidade portoalegrense. Entre as décadas de 1950 e 1960 , publicou suas obras acerca de temas dos quais escreveu na sua vida profissional de jornalista. A maioria dos livros, produzidos pelo jornalista, obras que tratam de Porto Alegre e seus aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. importante e extensa da história do Estado.

Cid Pinheiro Cabral nasceu em São Luiz Gonzaga, no dia 5 de maio de 1915, filho de José Augusto Inácio Cabral e Maria Manoela Pinheiro Cabral mudou-se para Porto Alegre ainda criança. 
Ingressou na carreira jornalistica no Jornal A Nação em 1941 e também passou pela Cia. Jornalística Caldas Jr., Agence France Presse e por último a RBS. No jornal Correio do Povo, onde trabalhou por 34 anos, imortalizou a coluna De Fora das Quatro Linhas, considerada temida e respeitada por todos que a liam. 
Cid Pinheiro Cabral, torcedor assumido do Internacional, fato raro na crônica gaúcha, desempenhava um papel de torcedor e cobrador dos assuntos relacionados com o Inter, mas sempre o exerceu com fidalguia e honestidade diante do seu texto primoroso, exercendo um certo ciúme de parte da torcida gremista que se dilacerava com seus textos ácidos e provocadores. 
Participou da fundação da Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos (Aceg), da qual foi o primeiro presidente. 
Irmão de Ephraim Pinheiro Cabral, presidente do Clube nos anos de 1951, 1952, 1960, 1966 e 1967. Ele foi o vereador que batalhou nos anos 1950 para que o Internacional conseguisse a área para o Beira-Rio através do Projeto nº63/56 que foi aprovado em 09/10/1956.

Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Grandes Momentos do Esporte nº 8 - disponível para pesquisa na Biblioteca Zeferino Brazil/FECI - 2º andar do Gigantinho
Sport Club Internacional

Associação Dos Cronistas Esportivos Gaúchos
Leonardo de Oliveira Conedera - Doutorando de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)



quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Acervo Colorado Como Fonte Para Pesquisa Histórica

A Biblioteca Zeferino Brazil e o Arquivo Histórico do Internacional, divisões da Fundação de Educação e Cultura do Sport Club Internacional-FECI, receberam hoje a visita do Dr. Germano Mostardeiro Bonow e Glaucia Külzer, diretor e historiadora do Museu da História da Medicina do Rio Grande do Sul. Os mesmos foram recepcionados pelo presidente da FECI Cesardo Vignochi, pela bibliotecária Ana Bicca e a arquivista Yzara Menegaz.
A visita objetivou arrolar informações sobre os ilustres colorados que fizeram parte da Campanha Sanitária contra a Gripe Espanhola no RS em 1918. Com satisfação o Internacional conseguiu, através dos acervos bibliográficos e arquivísticos de sua história, contribuir na pesquisa elencando nomes como o do Dr. Carlos Kluwe, Dr. Florêncio Ygartua, Dr. Mario Totta e Dr. Jorge Washington Martins. Também foi doado ao acervo do Museu da Medicina um exemplar da obra “O Gigante da Beira-Rio” , de Carlos Lopes dos Santos, preciosa contribuição no resgate da história Colorada.
A FECI agradece pela visita e o reconhecimento por parte de tão ilustre instituição e coloca-se sempre a disposição, através de suas divisões que preservam e difundem a histórica trajetória do Sport Club Internacional para contribuir no resgate da história da sociedade sul-rio-grandense.
Luis Antonio Nejar, Cesardo Vignochi, Ana Bicca, Dr. Germano Bonow, Gláucia Külzer e Yzara Menegaz



quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Amistoso Inter X Roma - 1981

Fonte: Arquivo Histórico SCI/Departamento de Futebol
Paulo Roberto Falcão nasceu em Abelardo Luz, em 16 de outubro de 1953 e começou a marcar sua história no Internacional ainda nas categorias de base.

Logo no início da década de 70 mostrava um talento inigualável, e chamou a atenção da comissão técnica. Isso o levou a assumir a titularidade do Sport Club Internacional em 1973. 
Falcão era um meio-campo ofensivo, que impressionava pela quantidade de gols que marcava. Com isso, ajudou o Clube a dominar o futebol brasileiro na década de 70 e levou para casa inúmeras conquistas: Campeonatos Brasileiros de 1975, 1976 e 1979 e os Campeonatos Gaúchos de 1973, 1974, 1975, 1976 e 1978. Foi considerado o melhor jogador do Brasileirão por três campeonatos.


Fonte: Arquivo Histórico SCI
Títulos:
Campeonato Gaúcho - 1973 - Internacional
Campeonato Gaúcho - 1974 - Internacional
Campeonato Gaúcho - 1975 - Internacional
Campeonato Brasileiro - 1975 - Internacional
Campeonato Gaúcho - 1976 - Internacional
Campeonato Brasileiro - 1976 - Internacional
Campeonato Gaúcho - 1978 - Internacional
Campeonato Brasileiro - 1979 - Internacional
Campeonato Italiano - 1983 - Roma
Campeonato Paulista - 1985 - São Paulo

Fonte:historiadordofutebol.com.br
Em 1980 transferiu-se para a Associazione Sportiva Roma, Itália. No ano seguinte, aconteceu uma partida amistosa entre o time Roma x Inter para celebrar a chegada de Falcão a Roma e se despedir dos companheiros do Internacional. Pela ASRoma, ajudou o time a conquistar o campeonato italiano, fato que não ocorria desde 1942. 


Abaixo como curiosidade publicamos a correspondência enviada pelo clube AS Roma para a CBF solicitando autorização para o jogo amistoso que ocorreu em 29 de agosto de 1981. 

No detalhe, tradução da correspondência.

Fonte: anotandofutbol.blogspot.com

Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional








terça-feira, 28 de agosto de 2018

Paixão sempre estará conosco

Paixão Côrtes antes de folclorista, historiador, cantor, embaixador da cultura sul-rio-grandense, era COLORADO. O sangue vermelho de sua linhagem calcou os alicerces do Sport Club Internacional. Ele sempre esteve com seu Clube no coração e nas idéias. E quando convidado a ser o Patrono da Primeira Feira Colorada do livro e do vinil, sabia que mais uma vez realizava algo inédito, só que agora junto com seu clube. Para homenagear a FECI que fazia aniversário, Paixão Côrtes colocou sua pilcha de festa e veio para o pátio do Beira Rio distribuir cultura, prosa e história. Veio fazer história. Pois seu Inter, além de futebol, trazia ao seu torcedor, ao seu povo...o seu clube feito praça de leitura, de dança, de folclore, de disco, de música...de arte do sul. Obrigada Paixão, pelas obras, pelos sorrisos, pela atenção….



Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Torneio de Glasgow

Fonte: Sport Club Internacional
Em agosto de 1987 o Internacional participou e venceu o Torneio de Glasgow, na Escócia.
Foram dois jogos, o primeiro em 1/08 com a  vitória de 2 a 1 sobre o Ajax, da Holanda, com gols de Paulo Mattos e Heider. E no dia seguinte o empate de 1 x 1 contra o Glasgow Rangers, o gol colorado de Norberto levou para a decisão nos penaltis, onde o Inter venceu por 5 a 4 e ficou com o título.
"Não há registros de outras edições do torneio além de 1987. Além de Inter, Glasgow Rangers e Ajax, o Real Sociedad (Espanha) também participou da disputa. Vale destacar qye Ajax era treinado por Johan Cruyff e contava com Frank Rijkaard como 'maestro' no meio-campo."
Time colorado: Ademir Maria; Luis Carlos, Aloísio, Laércio e Paulo Roberto; Airton, Norberto e Balalo; Heider, Amarildo e Paulo Mattos. Também jogaram Dacroce, Luis Fernando e Paulinho.


Fonte:Detalhe do livro "O Internacional e suas conquistas pelo mundo: o almanaque dos jogos internacionais" 
Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Fonte: "O Internacional e suas conquistas pelo mundo: o almanaque dos jogos internacionais Autor: Ricardo Luis Bestetti  p.17 Editora Ideograf, 2009. - Disponível para consulta na Biblioteca Zeferino Brazil

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

10 anos de D'Alessandro

"O meia argentino criou uma bonita história dentro do Clube do Povo e solidificou um laço forte com a capital gaúcha, onde estabeleceu a sua família. Hoje, não há como pensar no Inter dos últimos 10 anos sem lembrar deste argentino de personalidade forte, que segue fazendo história com a camisa vermelha." D'Alessandro
A nossa homenagem vai através da publicação da carta do nosso colega Tharles, que na época era um torcedor colorado e foi receber o craque no aeroporto. Hoje ajuda a preservar  a história colorada.
Nossa postagem é hoje, 01/08, porque oficialmente é a data de seu início como atleta do Sport Club Internacional.
"Há exatos 10 anos, descia no aeroporto Salgado Filho um dos maiores ídolos da história colorada.
Nesse dia, aconteceria partida pelo brasileirão.
Eu estava indo para assistir o jogo, mas resolvi passar antes para ver esse tal de D'Alessandro.
Não me arrependo! Tinha mais ou menos 400 pessoas no aeroporto, foi uma loucura!
Aquele momento foi inesquecível, porque tudo que fizemos para recebê-lo, na sua chegada, ele correspondeu dentro e fora de campo.
Passou alguns meses e vivemos o greNAL dos 4x1 em 28/09/2008, no dia do meu aniversário.
Ah, que partida fizeste. Destruiu, detonou o rival.
D'Ale, tu significa para essa nação um guerreiro, um jogador que demonstra amor e garra das cores vermelha e branca.
Aquela Libertadores de 2010, tchê tu foi perfeito, praticamente carregou sozinho aquela América.
Tu é a cara da torcida, é o cara que corresponde todo o amor por esta camisa e sempre dando toda sua atenção para cada torcedor.
Ah, não podemos esquecer daquela última volta olímpica dentro do campo do nosso coirmão.
Que partida... Partida que fez nos dar a última volta lá dentro. Sem falar que tu comemoraste feito louco, como um torcedor.
Tenho tantas lembranças de você vestindo essa camisa.
Mas tem aquele greNAL, no estadio Olímipico no dia, 02/12/2012 com dois homens a menos e seguramos o empate, e a festa mais uma vez foi nossa, tu indo na mureta para comemorar.
D'Alessandro, tu és admirado por todos, mesmo quem não torce pelo Inter, tu sabe que é isso? Isso significa que tu és um símbolo, uma lenda nesse Estado.
Tu estás fazendo 10 anos de clube. Tantas glórias e felicidades nessa longa trajetória.
Ah, D'Ale Tenho medo de quando tu encerrar sua carreira como jogador. Fico me perguntando será que vamos achar outro D'Ale? Acho impossível! Esse jogador que és, um cara que dá a vida em cada Vitória.
Tenho orgulho de ver um jogador igual a você vestindo essa camisa que tanto amo.
É por isso tenho uma pequena homenagem como uma tatuagem, pelo tudo que fez para a essa nação que veste camisa vermelha.
Pode ter certeza que és um dos maiores ídolos da história."

Tharles Thones






Fotos: arquivo pessoal 

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Escrever Para Viver


“ De todos os instrumentos do homem, o mais surpreendente é, sem dúvida nenhuma, o livro.” Com esta frase de Jorge Luis Borges, escritor argentino, buscamos traduzir, em parte, o infinito que está contido em uma obra literária. 

As ideias, sentimentos ou sentidos, expressos em palavras carregam vida. Sem métrica ou rima, sem prosa ou verso, sem forma ou reverso, é pura vida. Ou ao contrário, contendo tudo, na métrica, no verso, na rima, na prosa, na frase solta...há vida. 
Escrever para viver. Para estar vivo mesmo quando o corpo já não estiver presente. Escrever para ser ‘para sempre’. Para guardarmos nos eternos instantes traduzidos em palavras. Coisa rara. 
Escrever para dotarmos o humano da sensibilidade, da verdade (tão una e coletiva), de vida... 
Leia. Transforme, transmute, viva, pois alguém escreveu para viver. 

Obrigada Escritor!

Cyro Martins e Dyonelio Machado, foram alguns dos escritores que doaram livros para engrandecer a Biblioteca colorada
Veja mais:Biblioteca Zeferino Brazil
Texto: Ana Maria Froner Bicca
Fonte: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Os Maiores Scores do Internacional

Ilustração publicada n  revista Gigante Milionário/1979
Colorados, quando pensamos na vitória do Nosso Internacional, lembramos de gols. Muitos gols que marcaram as lembranças de todos nós. Cada um tem um momento histórico na sua paixão futebolística.

Pensando neste sentimento fantástico, no sabor de contarmos os “feitos relevantes”, lembramos de alguns scores que ultrapassaram uma dezena de gols. Com a intenção de enriquecer os detalhes da memória de cada torcedor Colorado, elencamos alguns destes placares. A fonte desta pesquisa é resultado do trabalho abnegado do Colorado Hélio Dias que, apaixonado pelo seu clube, organizou, através da consulta em Jornais da época, todos os jogos do Sport Club Internacional.



11/08/1912
Nacional
16 x 0


Campeonato Portoalegrense 1912


24/05/1914
Americano (Porto Alegre)
15 x 2


Campeonato Portoalegrense 1914


27/05/1917
São José-RS
14 x 0


Campeonato Portoalegrense 1917


23/05/1976
Ferro Carril
14 x 0


Campeonato Gaúcho 1976


25/06/1916
Colombo
14 x 0


Campeonato Portoalegrense 1916


20/06/1920
Municipal
14 x 2


Amistosos 1920


13/09/1918
São José-RS
13 x 0


Campeonato Portoalegrense 1918


06/08/1939
Sokol
13 x 1


Torneio Relâmpago 1939


10/09/1916
Fussball Club
13 x 1


Campeonato Portoalegrense 1916


26/08/1945
Força e Luz
12 x 0


Campeonato Portoalegrense 1945

Fichas de jogos do livro 1909 à 1942 de Helio Dias
Texto: Ana Maria Froner Bicca
Fontes: Acervo /Arquivo Histórico SCI/Biblioteca Zeferino Brazil/Sport Club Internacional
Revista Gigante Milionário/1979 
Fichas de jogos: Coletânea Helio Dias - Livro 1909 à 1942 Museu do Sport Club Internacional - Ruy Tedesco
Site: http://www.interpedia.com.br/