terça-feira, 25 de outubro de 2016

Internacional: Grandeza na História do Futebol Brasileiro

Quando verbalizamos a máxima do Inter ser “o clube do povo”, não estamos somente repetindo uma idéia repassada em 107 anos de vida. Quando exaltamos os títulos do Internacional, não estamos só reprisando campanhas vitoriosas ...estamos consagrando “feitos relevantes”. Pois sim, o Internacional em sua história de glórias e conquistas desde sua fundação edifica-se em feitos relevantes. Feitos sociais e esportivos. Pois esporte é social.
O Internacional com apenas quatro anos de existência já administrava seus jogos, ingressos eram cobrados, havia uma estrutura para se concretizar em realidade. Precisava-se  de fundos.
O nosso Inter sempre se  preocupou em construir um patrimônio para seus torcedores, em ter sede própria, com jogadores felizes e satisfeitos por fazerem parte de seu plantel.
O profissionalismo no futebol só foi instaurado em 1933 no Brasil , contudo o Internacional em 1917 já pagava  entre 15 e 10 mil réis de diárias para seus jogadores e quando fosse necessário auxiliava os jogadores que se lesionavam;  tivemos o caso do jogador Lúcio Assumpção em 1918 que  recebia 100 mil réis mensais como ajuda. A ajuda perdurou até ele se restabelecer. Os jogadores do Inter em 1929 já usavam o regime de concentração, na antiga Chácara dos Eucaliptos e em 1935 contava oficialmente com um sistema de remuneração aos atletas. Havia o auxílio-ordenado, a mesada , o complemento (luvas), a participação (bicho) e a colocação (emprego fixo).
Em 1918 o Internacional, pioneiramente, admitia Maria Von Ockel como sócia.  Primeira mulher a associar-se a um Clube de Futebol no Brasil. Sua indicação foi realizada pelo presidente Heitor Carneiro. Jogadores afro-descendentes começaram a compor o time do Inter em 1928, Dirceu, Chatinho, Bagre e Davi. Em 1932 chegou ao time o Tupan e em 1939 Tesourinha –todos da cidade de Porto Alegre, da Liga da Canela Preta. Haviam  os  atletas  negros que vinham do interior, Alfeu de Bagé e Ávila de Pelotas além daqueles da várzea porto-alegrense como  Abgail, Nena, Adãozinho, Alfeu e Niquelagem.
Pioneirismo, popularidade, compromisso social edificado em ações esportivas. Este é o Internacional que em 1940 criava a primeira torcida organizada, sendo responsáveis por ela Vicente Rao e Peri Azambuja. Vicente Rao foi o responsável por consagrar o Inter como o Clube do Povo. Suas publicações avulsas faziam alusão à um clube de todos, um clube de negros e brancos.

Sim o Internacional é  grande. É gigante. É um marco na história do futebol brasileiro.

Confira mais sobre a grandeza do seu Clube no acervo da Biblioteca Zeferino Brazil e do Arquivo Histórico.

Texto: Ana Maria Froner Bicca – Bibliotecária do SCI
Fontes: 
Flâmula - Museu do Sport Club Internacional - Ruy Tedesco
Foto - Arquivo Histórico Sport Club Internacional

0 comentários:

Postar um comentário